A PREFEITURA CONTINUA PERSEGUINDO OS CAMELÔS

O MUCA – Movimento Unido dos Camelôs repudia a operação da SEOP – Secretaria Especial de Ordem Pública no Centro do Rio de Janeiro, durante esta semana, apreendendo mercadorias e estourando depósitos dos ambulantes demonstrando a continuidade do desprezo e do terror iniciado com o Choque de Ordem do xerife Rodrigo Bethlem, com a política de perseguição aos pobres e acordos com empresários que financiam as campanhas eleitorais.

A Prefeitura realizou um recadastramento com várias irregularidades, impedindo o direito ao trabalho de vários ambulantes que exercem a profissão durante muito tempo nas ruas da cidade e concedendo a autorização para interessados sem experiência, que muitas vezes alugam sua licença. A SEOP na gestão do Rodrigo Bethlem deveria ter constituído uma comissão de camelôs legítima como prevê a Lei 1876/92, para acompanhar o processo de recadastramento, mas contrariando o interesse público descumpriu a lei.

Agora depois da Copa do Mundo continuando o processo de higienização da cidade rumo às Olimpíadas, o prefeito Eduardo Paes persegue os pequenos ambulantes ao invés de construir depósitos dignos para que os camelôs guardem suas barracas e mercadorias, no lugar de reprimir poderia educar, promovendo cursos de manipulação de alimentos, fiscalizando com medidas preventivas, orientando sobre a forma adequada de guardar as mercadorias perecíveis, mas ele prefere o espetáculo de apreensões, que no nosso entender é roubo, com fotos e reportagens de depósitos precários parecendo que o poder municipal está exercendo medidas concretas para proteção da saúde pública, mas são medidas paliativas, que de fato apenas oprime, causando prejuízos e sofrimentos aos camelôs, caso queira resolver o problema será necessário a legalização de depósitos que garantam a higiene e boas condições de trabalho.

A Câmara dos Vereadores tem que colocar em pauta o projeto de reformulação da nossa lei a 1876/92, para que possamos rever os critérios e as quantidades de autorizações para o exercício da nossa profissão. Além disso, a Ação Civil Pública do Ministério Público do Rio de Janeiro pede o afastamento da Guarda Municipal da fiscalização do comércio ambulante, pois entende como desvio de função, a atribuição dessa atividade deve ser do servidor público indicado em lei, ainda mais com a aprovação no Senado Federal da insensatez de conceder poder de polícia às Guardas Municipais, com direito a uso de armas. Os camelôs são trabalhadores, que devem ser valorizados e não perseguidos por forças policiais, então continuaremos a campanha “Fora Guarda Municipal da fiscalização do comércio ambulante”.

Entendemos que os camelôs devem se organizar para enfrentar mais essa ofensiva do poder municipal, que continua com a doutrina do choque de ordem iniciada pelo braço direito e coordenador das campanhas eleitorais do Eduardo Paes, o xerife Rodrigo Bethlem, acusado pela ex-mulher Vanessa Felippe de corrupção. Então que moral esse governo tem para destruir o trabalho difícil dos camelôs. Vamos estar juntos na luta pela revisão do recadastramento dos ambulantes, pela construção e legalização de depósitos, pela atualização da lei 1876/92 e pela saída da Guarda Municipal da fiscalização do comércio ambulante.

MUCA – Movimento Unido dos Camelôs

eduardo-paes-choque-de-ordem

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s